68º Congresso Brasileiro de Coloproctologia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

PROLAPSO RETAL COMPLETO EM PACIENTE COM INSUFICIENCIA RENAL CRONICA: RELATO DE CASO

Objetivo(s)

Relatar um caso de prolapso retal, fora do padrão epidemiológico mais comum, com um dos mecanismos fisiopatológicos associados à uma patologia de base.

Descrição do caso

Paciente M.C.S, 39 anos, sexo feminino, afrodescendente, portadora de insuficiência renal crônica dialítica há 10 anos, deu entrada no Pronto Socorro do Hospital Regional de Araguaína com história de 2 dias de constipação, associado à prurido intenso e dor em região perianal de início súbito, no exame proctológico, na inspeção, observou-se a exteriorização de toda espessura do reto, sendo irredutível às manobras iniciais. No segundo dia de internação hospitalar, a paciente evoluiu com isquemia, foi submetida à uma redução do prolapso no intraoperatório seguido de uma retossigmoidectomia com colostomia terminal e fechamento do colo retal (cirurgia de Hartmann). No pós-operatório a paciente não apresentou intercorrências, recebendo alta no quinto dia após o procedimento cirúrgico, com orientações e programação da reconstrução do trânsito intestinal após 60 dias.

Discussão e Conclusão(ões)

O prolapso do reto caracteriza-se pela saída completa ou parcial desse segmento do intestino grosso pelo ânus, podendo ser aparente ou oculto, que incide mais em mulheres acima de 60 anos, com história de constipação crônica. Sua fisiopatologia é pouco esclarecida nas literaturas, porém existem alguns fatores comprovadamente relacionados com sua etiologia, como: aumento da pressão intra-abdominal, infecções, alterações anatômicas, neurológicas, nutricionais e transtorno da função do assoalho muscular da pelve. No paciente portador de doença renal crônica, a sarcopenia é uma condição bem associada, que ocorre em todos os estágios da doença e vários são os mecanismos responsáveis pelo desenvolvimento desta condição, como, desequilíbrio hormonal, má nutrição, depleção de ATP e glicogênio, transporte inadequado de oxigênio como consequência da anemia, acidose metabólica e distúrbio eletrolítico, alteração no estilo de vida, perda de massa muscular e fraqueza devido à atrofia de fibras musculares. No caso acima, a paciente, portadora de insuficiência renal crônica por 10 anos, apresenta um nível elevado de sarcopenia, sendo este, um provável fator promotor fisiopatológico da disfunção muscular pélvica, acarretando assim, o prolapso retal. O diagnóstico da afecção foi feito exclusivamente por história clínica e exame físico. Para o tratamento do prolapso retal existem muitas opções cirúrgicas descritas na literatura, no caso descrito acima, foi optado pela via abdominal com ressecção de reto e sigmoide (cirurgia de Hartmann), tendo em vista o tamanho do prolapso e a isquemia extensa do mesmo. Apesar da paciente encontrar-se fora dos padrões epidemiológicos mais acometidos por essa afecção, nota-se uma relação íntima entre a patologia de base, insuficiência renal crônica, e o transtorno da função do assoalho muscular da pelve, sendo este um importante fator de risco para o aparecimento do prolapso retal.

Área

Doenças Anorretais Benignas

Autores

LEONARDO DUARTE GUERRA, DOUGLAS MARTINS CARNEIRO, PATRÍCIA ALVES MANGUEIRA