68º Congresso Brasileiro de Coloproctologia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ENDOMETRIOSE INFILTRATIVA NO RETO MEDIO. CIRURGIA CONSERVADORA E PADRAO OURO

Objetivo(s)

70% da endometriose infiltrativa no reto acomete na altura da reflexão peritoneal que corresponde ao reto médio. Nos casos de lesões do reto médio maior que 3 cm e lesões múltiplas que acometem a camada muscular do reto e sigmoide, a cirurgia preconizada é a ressecção segmentar conhecida como radical que pode levar a complicações severas, como fístulas, síndromes de LARS e taxas variáveis de ostomias protetoras. A tendência atual na cirurgia é a precisão nas técnicas adequando a cada tipo de doença; nos casos de patologia benigna como endometriose com mais ênfase, escolher as técnicas com menor trauma e menos invasiva para evitar a ressecção do reto médio através da aplicação da cirurgia conservadora, que tem notoriamente, menor incidência de complicação. A diretriz atual preconiza em casos de endometriose maior que 3 cm no reto e lesões múltiplas que comprometem o reto e sigmoide, a cirurgia radical. Preconizar as vantagens da cirurgia conservadora associada a alguns detalhes técnicos na realização do Shaving de modo agressivo e/ou associando à técnica de disco pela técnica manual, e/ou uma ou mais grampeadas possibilitando a retirada dessas lesões maiores sem a necessidade de ressecar o seguimento médio e alto do reto, preservando o órgão na sua quase totalidade, é factível e seguro, com importante melhora dos sintomas e minimiza complicações severas quando comparada à cirurgia radical.

Descrição da técnica

30 mulheres com lesões múltiplas de endometriose com acometimento à camada muscular do reto e sigmoide ou lesões grandes no reto médio, maiores que 3 cm, diagnosticadas por toque retal e vaginal, ressonância magnética e ecografia transanal de 3 dimensões e operada por videolaparoscopia pelo método conservador, o reto e em casos de lesões no sigmoide a ressecção segmentar com anastomose grampeada intracorpórea preconizando dupla ressecção; conservadora no reto e radical no sigmoide.

Discussão e Conclusão(ões)

A endometriose é uma doença benigna, que acomete mulheres jovens e que tende a involuir com a menopausa, portanto não deveria ser operada com critério de doença maligna de maneira mais agressiva e radical que leva à altas taxas de complicações e sequelas funcionais. Com o conhecimento, aprimoramento e treinamento na cirurgia conservadora (Shaving e disco), podemos ampliar a sua aplicação com segurança e qualidade, sugerindo a sua utilização nos casos de endometriose mais complexas como as referidas, evitando a cirurgia de maior porte que são mais agressivas, mutiladoras, com alto risco de fístula, estenose, síndrome de LARS, ostomias e resultados funcionais comprometendo a qualidade de vida.Optar pela preservação do reto médio em endometriose infiltrativa maiores de 3 cm, e lesões múltiplas quando aplicada a cirurgia conservadora corretamente no reto, é uma opção mais adequada com perfil atual de menor trauma e agressão, e mais individualizada com menor complicação e comparativamente é mais rápido e menos árduo para equipes com experiência nas duas técnicas.

Área

Cirurgia Minimamente Invasiva, Novas técnicas cirúrgicas / Avanços Tecnológicos em Cirurgia Colorretal e Pélvicas e Anorretais

Autores

Univaldo Etsuo Sagae, Ivan Roberto Bonotto Orso, Ivan Roberto Bonotto Orso, Gustavo Kurachi, Gustavo Kurachi, Namir Cavalli, Namir Cavalli, Vitor Massaro Takamatsu Sagae, Vitor Massaro Takamatsu Sagae, Gabriel Rocha Bonatto, Gabriel Rocha Bonatto, Helin Minoru Matsumoto, Helin Minoru Matsumoto, Doryane Maria Reis Lima, Doryane Maria Reis Lima