68º Congresso Brasileiro de Coloproctologia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

DEISCENCIA DE ANASTOMOSE ILEOCOLICA COM CORPO ESTRANHO ADERIDO A LINHA DE SUTURA: CAUSA OU COINCIDENCIA ?

Objetivo(s)

Introdução: A deiscência de anastomoses colônicas atinge a incidência de 3 a 6 %. Os principais fatores de risco podem ser associados ao paciente (desnutrição, idade avançada)ou a fatores intraoperatórios ( anastomose baixa, tempo cirúrgico). As perfurações intestinais por corpo estranho são raras, geralmente ocorrem por ingestão acidental de osso de frango ou peixe, em segmentos intestinais angulados, segmento ileocólico ou junção retossigmoide. A seguir, relatamos caso de deiscência de anastomose com achado de corpo estranho em linha anastomótica. Objetivo: Relatar caso de paciente com deiscência de anastomose ileocólica na presença de corpo estranho.

Descrição do caso

Relato de caso: M.J.S., 65 anos, portadora de miastenia Gravis em uso de Piridostigmina há cerca de 10 anos, sem crises agudas. Iniciou quadro de dor, distenção abdominal, perda ponderal e hematoqueiza em janeiro de 2019. Submetida a Colonoscopia com evidencia de lesão vegetante em ceco, próximo a válvula ileocecal, com cerca de 5 cm de extensão . Biópsia evidenciou adenoma viloso com displasia de alto grau. Submetida a hemicolectomia direita laparoscópica com anastomose intra-corpórea em 16/07/2019, sem intercorrências. Evoluia favoravelmente, aceitando dieta oral pastosa e com eliminação de flatos, sendo mantida hospitalizada para monitorização da doença de base. No 7 dia pós operatório cursou com taquicardia, taquipneia e distenção abdominal. Encaminhada a laparotomia de urgência sendo evidenciado corpo estranho de cerca de 4 cm ( osso de galinha) transfixando a anastomose, com consequente deiscência da mesma.

Discussão e Conclusão(ões)

Relato de caso: M.J.S., 65 anos, portadora de miastenia Gravis em uso de Piridostigmina há cerca de 10 anos, sem crises agudas. Iniciou quadro de dor, distenção abdominal, perda ponderal e hematoqueiza em janeiro de 2019. Submetida a Colonoscopia com evidencia de lesão vegetante em ceco, próximo a válvula ileocecal, com cerca de 5 cm de extensão . Biópsia evidenciou adenoma viloso com displasia de alto grau. Submetida a hemicolectomia direita laparoscópica com anastomose intra-corpórea em 16/07/2019, sem intercorrências. Evoluia favoravelmente, aceitando dieta oral pastosa e com eliminação de flatos, sendo mantida hospitalizada para monitorização da doença de base. No 7 dia pós operatório cursou com taquicardia, taquipneia e distenção abdominal. Encaminhada a laparotomia de urgência sendo evidenciado corpo estranho de cerca de 4 cm ( osso de galinha) transfixando a anastomose, com consequente deiscência da mesma.

Área

Doenças malignas e pré-malignas dos cólons, reto e ânus

Autores

Kamilla da Mata Fuchs , julyanna Silva Araújo de jesus, Jéssica Fraga, Henrique Moura Parreira, Carolina Assunção, Moises Alcantara, Carlos Ramon Mendes