68º Congresso Brasileiro de Coloproctologia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

TUMOR DESMOIDE ABDOMINO PELVICO: UM RELATO DE CASO

Objetivo(s)

Este trabalho tem por objetivo relatar caso de paciente portador de tumor desmóide abdomino pélvico, submetido a uma excisão por abordagem abdomino-perineal pelo setor de Cirurgia Geral de um hospital do Oeste Paulista, bem como analisar os achados semiológicos, a conduta médica e o resultado obtido no tratamento da neoplasia no caso relatado.

Descrição do caso

N.A.C.C, 73 anos, sexo feminino, branca, foi admitida no serviço hospitalar com história de dor abdominal em fossa ilíaca direita que irradiava para o hipogástrio, disúria, polaciúria e dificuldade para sentar-se devido a dor. Ao exame físico foi possível identificar uma massa de consistência fibroelástica e irregular em quadrante inferior direito.Na realização de Tomografia Computadorizada de pelve, identificou-se volumosa lesão expansiva/infiltrativa sólida centrada na gordura da fossa ísquio anal direita/perineal direita, mantendo íntimo contato com a parede lateral direita da vagina, estendendo-se para a cavidade pélvica onde se desloca e comprime a bexiga e a gordura da região glútea ipsilateral, indicando processo neoplásico, medindo 18,0x12,0x8,5cm.A paciente foi encaminhada para uma cirurgia de laparotomia exploratoria.No intra-operatório foi identificado a massa, iniciando-se em região pélvica intraperitoneal com íntimo contato com a bexiga e o reto alto, estendendo-se para pelve extraperitoneal com íntimo contato com a vagina e o reto médio, insinuando-se pela gordura isquiorretal lateralmente ao canal anal e a vulva, foi realizada a excisão completa em bloco da lesão para remoção do tumor.Após 20 dias aos cuidados da equipe multidisciplinar, teve uma boa evolução e recebeu alta do serviço hospitalar, sendo orientada a manter acompanhamento ambulatorial.

Discussão e Conclusão(ões)

O tumor desmóide é uma neoplasia benigna com incidência de cerca de 2-4 casos em um milhão e corresponde a 3% dos tumores de tecidos moles, caracterizado por uma proliferação invasiva de fibroblastos proveniente de tecidos músculos-aponeuróticos, podendo ocorrer de forma esporádica ou associado a síndromes genéticas como a polipose adenomatosa familiar;não possuem cápsula porém tem uma grande função de crescimento local,o que causa um abaulamento da região onde se encontra, comprimindo estruturas adjacentes e ocasionando perda de função dos órgãos.O tumor desmóide apresenta altas taxas de recidiva (cerca de 65%) após a ressecção cirúrgica, o cirurgião deve optar por fazer uma ressecção com margens ampliadas e orientar o acompanhamento ambulatorial.
Diante disso, conclui-se que o tumor desmóide é uma neoplasia benigna pois não tem a capacidade de realizar metástases, entretanto, é um tumor de alto crescimento e poder infiltrativo, e leva a compressão de estruturas adjacentes, perda de função e eventualmente traz um iminente risco a vida do paciente sendo de suma importância o diagnóstico precoce e a abordagem cirúrgica.

Área

Doenças do assoalho pélvico / Fisiologia Intestinal e Anorretocólica

Autores

André Antônio Abissamra, Adriana Carvalho Santos Nogueira, Eraldo de Azevedo Coelho Junior, Ingrid Lehmkuhl Rinaldi, Mariana Barbosa Girotto , Maria Luiza Biasi Alves